A Revisão da Vida Toda 2022 tornou-se um dos assuntos mais comentados da atualidade em razão das novidades geradas recentemente e que promete atingir muita gente.

Sendo assim, é de grande importância saber o que é revisão da vida toda, quem tem direito, julgamento, e planilha de cálculos. Para a sua sorte, trataremos de cada um destes dados e muito mais no decorrer deste artigo.

Continue acompanhando se quiser ficar por dentro de tudo isso, objetivando garantir o máximo de benefícios ao longo prazo. Compreenda!

O que é revisão da vida toda 2022?

Sinteticamente, é compreensível que surjam dúvidas acerca deste assunto, até porque muitos brasileiros nem se quer sabem o que significa tal temática.

Revisão da Vida Toda 2022

Revisão da Vida Toda 2022

Mesmo assim, evidenciamos sua relevância perante o campo das aposentadorias no Brasil. Trata-se, portanto, de uma regra que estipula o cálculo INSS adequada para decidir os valores a serem pagos aos trabalhadores e os prazos pertinentes às aposentadorias.

Neste quesito deve-se considerar a média em razão da data de julho de 1994, pois a troca de moedas nacionais também incide sobre as normas deste direito, sobretudo na inflação monetária do Brasil.

As legislações 8.213/1991 e 9.876/1999 foram cruciais para as atuais definições do tema quanto ao que é colocado em prática pela Previdência Social e pelo Governo Federal em razão do que é descrito pelo ministério da Economia.

Quem tem direito a revisão da vida toda?

Ante o exposto acima, apenas alguns contribuintes possuem o direito a revisão da vida toda e identificar os detalhes é, portanto, crucial.

Dito isso, separamos uma listagem simples para englobar todos os segurados que podem passar pela revisão da vida toda neste ano de 2022. Veja quem são:

  • Aqueles que então dentro do que visar a Lei de nº 9.876/99 em seu artigo terceiro;
  • Quem teve contribuições em escala previdenciária anteriormente ao mesmo de julho de 1994.

Importante: Para além destas duas regras primárias, o enfoque se dá aos contribuintes que apresentam valores majoritários congruentes a esta data, uma vez que por lógica a média nestes casos é sempre superior.

Veja Ainda:

Julgamento da Revisão da vida toda no STF

As principais alterações destacadas neste sentido condizem com o novo julgamento realizado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) de modo virtual, embora a definição final esteja marcada para um julgamento físico.

De início, os votos computados foram de 6 a 5 a favor dos aposentados do Instituto Nacional do Seguro Social. Na verdade, a relevância deste julgamento está na prevalência da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias).

Essa legislação definida pelo Ministério da Economia busca por alterações ao longo prazo na revisão da vida toda, o que vai gerar cerca de R$ 46,4 bilhões durante todo esse período, se aprovada.

Os objetivos desta alteração está interligada com considerar as contribuições anteriores a 1994 com o intuito de dar melhores condições ao segurado do que a realidade que o mesmo se encontra atualmente.

Julgamento da Revisão da vida toda no STF

Julgamento da Revisão da vida toda no STF

As diversas constatações podem colocar em cheque a definição do supremo, tendo em vista que essa alteração mudará diretamente a forma como os cálculo convencional é executado.

O ministro Nunes Marques foi o grande responsável por postergar a definição neste âmbito, por discordar da maioria dos demais ministros do Supremo Tribunal Federal, exigindo uma revisão primária.

Segundo o mesmo, tal aferição remuneratória detém uma diferença que pode não ajudar os segurados de uma forma semelhante, até porque beneficia apenas aqueles que apresentam valores superiores em datas que antecedem julho de 94.

Assim sendo, a satisfatoriedade das ações não são adequadas aos trabalhadores que receberam menos durante esse período, e portanto não faria sentido essa alteração para tal parte substancial da população brasileira.

Essa ação fez com que um novo plenário seja marcado, agora de forma presencial onde as votações iniciarão do zero para computar as perspectivas de cada ministro diante as novas informações trazidas posteriormente aos votos primários.

Assim, após o reconhecimento do STF, cada contribuinte que se adequar nestas novas normas poderá solicitar uma nova análise de sua aposentadoria de diferentes naturezas em especial quanto a média salarial atual.

Caso você se enquadre nos requisitos citados acima, é importante ficar de olho na decisão do STF!

Leia Também:

Planilha de cálculo da revisão da vida toda

A planilha de cálculo da revisão da vida toda é parte majoritária para quem precisa estar de olho nos valores relacionados a esse método.

Aliás, a base do cálculo auxilia qualquer segurado que queira fazer a verificação por si mesmo. Por mais que pareça ser complicado, aqueles que possuem a planilha de cálculo da revisão da vida toda em mãos geralmente encontram menos dificuldades.

Nesta conjuntura, essa conta serve basicamente para que o segurado veja se a revisão da vida toda realmente vale a pena, tendo em vista os valores que o mesmo já receber em seu atual formato de aposentadoria.

Apesar de grande parte dos casos a escolha por essa metodologia acabe sendo vantajosa, ainda há exceções a essa regra e saber os diferenciais precedentemente é bastante atrativo.

Logo abaixo você confere com amplitude como funciona a planilha em sua versão completa, identifique os dados e não perca mais tempo:

Não deixe de ler:

Aspectos secundários da revisão da vida toda

Ademais, os demais fundamentos que permeiam essa temática precisam ser compreendidos pelo segurado que está interessado nesta mudança ou aqueles que anseiam por saber de fato se a troca trará vantagens congruentes, até porque cada caso é um caso e eles precisam ser visualizados dissemelhantemente.

A previdência social dispõe de muitas questões em sua abrangência e por isso compreende-las pode ser uma tarefa complicada aos segurados.

Para tanto, indicamos que um dos aspectos mais notáveis nesta categoria relaciona-se com a possibilidade de aplicação do cálculo que é mais atrativo ao indivíduo no momento de ter o benefício previdenciário concedido, no entanto é preciso ter cautela para chegar até essa conclusão.

Os direitos previdenciários obtidos anteriormente a 1994 e que eram descartados poderão ser acrescidos ao cálculo se a decisão do STF manter-se a mesma.

Decerto que a concessão do benefício demanda por alterações s e por mais que exista uma complexidade, todos os segurados envolvidos possuem o dever de verificar sua situação pelas contribuições.

5/5 - (1 vote)
Categorias: INSS

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado.